As Aventuras Amorosas de Luís Pi da Maianga “Capítulo Quente” A Trabalhadora

gbundblackh[1]CAPÍTULO VII

A TRABALHADORA

Luís Pi sempre teve fama de bandido, apesar de ser uma pessoa normal como outra qualquer, mas o facto é que a sua forma calma, os seu olhos lindos, e as sobrancelhas bem delineadas, e o jeito com que olhava para as mulheres, davam sempre uma outra impressão as mulheres. Além disso ele possuía um corpo atlético, que era o sonho de consumo de qualquer mulher, ele sabia bem disso. Este era um dos factos mais apreciados e ao mesmo tempo o mais detestado pelas suas admiradoras, ele sabia que era fofo. Essa fama era bem conhecida pelas pessoas ao seu redor. Certa vez, saiu com amigos, foi a festa de uma namorada de um amigo, e lá avistou uma jovem que estava de tranças corridas, um corpo desenhado, cintura fina, e um belo traseiro. Luís achou a rapariga interessante, por isso começa a jogar uma conversa para a jovem, que se chamava kátia, tinha 19 anos de idade, e estava a procura de um namorado. Mas luís facilmente atraiu-a numa conversa leve, e por vezes era muito fácil se interessar por luís porque ele sabia conversar. Luís a levou para casa, e trocaram os números de telefone. Quando ele chegou a casa ela manda uma mensagem para saber se já tinha chegado a casa, por alguns minutos trocaram mensagens de texto, e luís sabia que essa já estava na rede. No dia seguinte foi busca-la à escola, foram conversar num lugar calmo e por algum tempo conversaram. Quando luís pi deixa kátia em casa, rola um beijo no carro, e esses primeiros beijos são sempre os melhores e tal.

Luís Pi era um rapaz com uma mente muito fértil, e possuía um raciocínio rápido. Naquela mesma semana, ao falar ao telefone, kátia solta assim como quem não queria nada o desejo de possuir luís, mas de uma forma muito inocente, e luís logo pensou, ok, é isso que queres esta bem. Naquela noite tinha liga dos campeões de futebol, era um jogo crítico, mas também luís queria saber como ficava aquele rabo num bom fio dental. Decisão difícil para luís, mas como o jogo tinha reposição, então estava decidido. Luís foi busca-la a escola, e não a disse para onde iam. Luís a levou para sua casa, e ela surpresa, de certo modo pois não achava que luís fosse agir tão rápido (mas no fundo querendo mesmo). Luís relaxa e senta na sala por um instante, para a fazer sentir a vontade, uma vez relaxada, luís a chama para o seu quarto. Ele se deita e começa a beijar kátia, pois luís sabia que um bom beijo revelava segredos incríveis numa mulher, luís conseguia ver através do beijo o quanto uma mulher estaria excitada, pois a boca ficava com um sabor diferente. Kátia gostava muito de calças jeans pois a ficavam muitíssimo bem. Kátia beijava luís no pescoço e colocava a sua língua na orelha de pi, algo que fazia delirar luís, que media o rabo de kátia com os seu palmo, ansioso por ver aquele rabo subir e descer no seu João turbinado.

Kátia tirou a sua calça, com a ajuda de luís, que apreciava aquele rabo e como forma de respeito beijou as duas nádegas, seguida de uma palmada. Luís introduzia os seus dedos na vagina de kátia, enquanto essa praticava sexo oral no seu João turbinado, ela sabia que a cabeça era uma parte sensível e se desdobrava nela enquanto pi se contorcia de prazer. Luís sentia a boca de kátia quente e imaginava com seria a penetração.

Luís tira a tanga de kátia e molha a sua mão com a sua boca e acaricia o clítoris de kátia. Kátia era uma rapariga que tinha a sua posição preferida, que a fazia agir como uma verdadeira malandra. Ela gostava de estar em cima pois sabia cavalgar o João, e tinha um jogo de cintura incrível, como naquela posição dominasse o pénis totalmente.

Para aquela posição Luís não teve chames, pois a rapariga sabia o que fazia, consoante ela aumenta-se a velocidade, que parecia a velocidade 5 do creu ficava difícil luís não atingir o orgasmo, mas luís tentava desviar o seu pensamento, para fora daquele quarto, ele tinha de aguentar um pouco mais. Kátia e Luís se agarravam, e a única coisa que mexia era a cintura e kátia em movimentos muito rápidos, sendo que luís não aguentou por muito mais tempo e ejaculou.

Luís tinha de retribuir tamanho gesto, e sabia que ainda havia muito por fazer. Deitados na cama, juntinhos um do outro, pausaram por uns instantes, e luís ainda duro, e pronto para outra, mas kátia achava que ainda não estava duro o suficiente, então engoliu o pénis de pi, e acariciando os seus testículos, com pi maravilhado, apalpando os seios de kátia, logo entraram num segundo ronde desta vez no famoso “doggy style” de traz, e o prazer foi ainda melhor, pois a penetração era mais intensa, sendo que kátia já sussurrava o nome de luís, e ele sussurrava de volta dizendo “chama-me nomes”, pois era algo que luís adorava, e ela “ seu cão, meu bandido, acaba comigo”, essas palavra eram como música para os ouvidos de luís, foi como dizer a palavra “ABRACADABRA”, e com aquela vagina quente, com o João turbinado, bem acesso como o braço de um praticante de culturismo, aguentou bem a doçura e não decepcionou o pi que sentiu kátia se concentrando e logo depois perdendo forças, e pi deu logo conta que ela tinha atingido o orgasmo, e pi sentiu kátia deitar-se de lado e embalar num descanso merecido pois rolou fogo entre aqueles lençóis.

k.s.p

k.s.p

Anúncios

Uma resposta to “As Aventuras Amorosas de Luís Pi da Maianga “Capítulo Quente” A Trabalhadora”

  1. Gostei do seu Blog…
    Vou voltar para ler mais alguns post com mais atenção!
    Parabens!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: